O DIAGNÓSTICO

Como contei no post anterior, fiz a cirurgia para diagnosticar a endometriose (pra quem possivelmente não conheça esta doença, clique aqui).

Quando retornei ao quarto grogue da anestesia (muito doida na verdade, quem sabe eu conte pra vocês ou meu marido, já que ele sabe muito mais que eu das presepadas que falei e fiz! hahaha).

Tive que ficar com sonda, minha bexiga estava infestada de focos de endometriose e nas palavras do médico, como teve que mexer muito, era melhor eu não forçar sendo necessário o uso da sonda! Que coisa horrível, odiei os dias que passei com a sonda!

Pra ajudar, me deu infecção, com febre alta por causa da porcaria (perdão da palavra) da sonda! Se um dia usarem sonda, prestem atenção à cor da urina (escura ou avermelhada) e Calafrios, tive calafrios e porque eu não sabia nada dessas coisas não percebi os sintomas da infecção em mim! Enfim, tomei antibióticos e melhorei graças a Deus!

Passados os sete dias de repouso para recuperação da cirurgia, voltei à clínica para tirar os pontos e tirar minhas dúvidas com meu médico. Me lembro como se fosse hoje que cheguei na sala do médico e perguntei: “Dr, de um a dez, qual o grau da minha endometriose?”; e o Dr calmamente responde: “quatro!”… Nossa qual não foi meu alívio ao ouvir isso, porque de um a dez, eu estava no quatro!!! To no lucro!!! Uhummm!!!! Sei…

Acho que o médico viu minha cara de alívio e já quis quebrar meu momento de alegria ao dizer: “Talita, de 1 a 4, você está no QUATRO!!!!! Endometriose grau QUATRO!!!!! Isso ficou martelando na minha cabeça e enquanto ele explicava quais seriam os próximos passos, eu já nem conseguia ouvir mais… só ficava grau quatro… grau quatro…

Meu tratamento inicial seria seis meses tomando um medicamento chamado Zoladex (tema de outro post) para ao final desse período fazer outra cirurgia e checar se o tratamento havia sido eficiente.

Voltei pra casa chorando, pois toda a expectativa de logo engravidar foi ao chão.

Os intermináveis seis meses acabaram e chegou a hora de marcar a nova cirurgia, porém (contudo, todavia, no entanto…. lembrei das minhas aulas de português no ensino fundamental!!! Hahahahaha) descobri que teria mais um mês de Zoladex pra tomar e depois, estaríamos liberados pra tentar engravidar novamente.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *