E AGORA, O QUE EU FAÇO?

Senti a necessidade de aprofundar o assunto da endometriose na visão do homem e espero que isso dê certo!

Na verdade, deixando um pouquinho de lado a questão da fertilidade e do diagnóstico médico, a quinta confissão é prática: saber que uma vez por mês minha esposa passaria de 2 a 3 dias com cólicas de intensidades desconhecidas era simplesmente aterrorizante, e talvez assim também seja pra outros maridos.

Como ela fez uso dos anticoncepcionais por muitos anos, eram raras as vezes que as cólicas menstruais realmente me incomodavam, sempre dava pra levar numa boa e a vida seguia.

Mas quando ela parou de utilizá-los e as primeiras vieram me vi totalmente despreparado para aqueles momentos: a dor começa fraca, logo vêm as primeira reclamações e aí o bicho pega, ela rolava na cama de um lado para o outro, se esticava ou virava um “tatu-bola, as vezes parecia até que tinha parado de respirar.

E o marido que não é médico e nem enfermeiro faz o quê nessas horas?

Falar que daqui a pouco passa é assinar o atestado de óbito. Dar mais 50 gotas de Ponstan ou qualquer outro remédio para cólicas menstruais, não vai ajudar imediatamente também. Morrer não vai né (eu acho). Só ficar olhando também é zueira e a sensação de impotência é terrível.

Sem falar nas quedas de pressão, vômitos, desmaios, e tudo mais que a dor causa… o desespero que eu ficava, pois me sentia de mão atadas! Lembro de uma vez que precisei chamar um enfermeiro pra aplicar Buscopan, glicose e adrenalina na veia, pra Talita conseguir se recuperar.

Resumo da ópera: quando a mulher prevê a crise, já nas primeiras dores, como precaução precisará aderir às drogas, tudo que tiver às mãos, USE, para evitar que as dores se agravem… vale também, providenciar aquela velha e útil bolsa térmica que pode ajudar no alívio (mesmo que a gente saiba que a vontade é de jogar a bolsa na cara do marido).

Enfim, mulheres, fica a dica: nós não sabemos o que fazer, mas sabemos que tá doendo pra caramba, então, mesmo em meio à sua angústia tente compreender que a cara de pamonha é 99% desespero. Assinado: marido.

P.S.: Compartilho uma foto que representa bem minha esposa no período de cólicas.

131 respostas para “E AGORA, O QUE EU FAÇO?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *