COMPANHEIRISMO

Sempre gostei de acampar. É certo que não acampei mais que umas 15 vezes na vida, mas gosto. Apesar de estar protegido apenas por uma barraca e sujeito a chuva e frio, acho legal a sensação.

Quando o médico marcou a primeira cirurgia da endometriose da Talita logo me propus a acompanhá-la do começo ao fim. Participei de todos os exames e consultas possíveis e então fomos para o hospital às 20 horas do dia anterior ao procedimento. Chegando lá, tudo correu normalmente e eu estava até que tranquilo. O sono não foi dos melhores pois o banco estofado onde dormi naquela noite perdia de longe em conforto quando comparado ao colchão de ar dos meus acampamentos. Não tinha chuva nem frio no ambiente externo, mas no interno já não posso dizer a mesma coisa.

O procedimento era simples: a chamada videolaparoscopia é realizada com sedação geral e apresenta uma rápida recuperação com baixo risco. Parecia ser a solução para nossos problemas! O médico retiraria os focos da inflamação e isso não atrapalharia mais a nossa jornada.

Sabe, confesso (pela sétima vez) que lá no fundo eu acreditava que tudo aquilo era desnecessário e logo nosso objetivo seria alcançado e tudo daria certoMas quando olhava pra Talita se submetendo à toda aquela situação, já não sabia mais se daria tão certo assim.

É evidente que nenhum procedimento cirúrgico garante 100% de resultado ainda que possa ocorrer, mas parecia tão simples que talvez aquela intervenção pudesse ser desnecessária.

Como pode algo tão simples pra algumas pessoas se tornar tão complexo pra outras?

Ainda acredito que tudo vai dar certo, porém, não acredito mais que médicos, tratamentos e até mesmo intervenções são desnecessárias pois se assim fosse, talvez nem escrevendo agora eu estaria.

Estar ao lado dela nessa jornada, em todos os momentos, é o maior segredo para o casamento continuar legal. É como convidar alguém pra acampar e dividir a mesma barrada. Mesmo que haja frio e chuva, é muito mais fácil superar ao lado de um companheiro(a), quer seja pra rir ou pra chorar.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

11 respostas para “COMPANHEIRISMO”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *