CORAÇÃO CONTRITO

Escrito em 08/09/2017

“Hoje faz 5 dias que estou com os embriões e para meu desespero, não estou sentindo nada!

Sei que a vez anterior que fiz a FIV, em março, foi muito conturbada e por isso foi tão diferente, mas não sei o que pensar.

Tento disfarçar que está tudo bem, mas hoje não consegui e chorei, chorei por não conseguir saber o que está acontecendo comigo, chorei pela incerteza, pelo medo de mais uma vez me frustrar!

Entreguei nas mãos de Deus essa FIV e sei que Ele fará o melhor para mim, mas confesso que a teoria é bem mais fácil que a prática.

Estou tentando manter meus pensamentos positivos, mas não é fácil, as dúvidas batem à porta e me consomem!

Agora de manhã, ao fazer meu culto matinal, li que Deus está pronto a nos perdoar e transformar nosso coração, limpá-lo de toda a iniquidade e de toda a maldade e eu clamei a Deus que me ajude a abandonar os meus pensamentos maus, para me tornar digna de receber as Suas bênçãos.

Eu sei que a melhor coisa que tenho a fazer nesse momento é de verdade, descansar na promessa de que Cristo está preparando algo maravilhoso para mim e se não der certo mais uma vez, é porque Deus está me moldando para me tornar uma pessoa melhor, uma mãe melhor e assim estar mais preparada para educar e amar meus filhos.

Molda meu coração Pai, limpa minha alma para poder estar pura diante de Ti.

Me ajuda Senhor a andar em teus caminhos e fazer a Tua vontade. Dá-me forças para enfrentar o que for preciso! Cuida de mim, cuida do Hugo e das sementinhas que carrego, que se for da Tua vontade, elas ficarão comigo por um bom tempo!

AMÉM!”

Copiando o que escrevi nesse dia, pude perceber o quanto eu estava sofrendo, o quão angustiada estava. Quantas vezes passei por isso, quantas vezes senti essa dor silenciosa.

E fico imaginando, quantas mulheres também não passam por isso, caladas, muitas vezes nem com os próprios maridos conseguem conversar.

Saibam que esse canal está aberto a vocês, podem me chamar no Facebook, (página Talita Negri – Blog Esperar o Que?) ou no Instagram (@talitanegri), que estou sempre pronta a ouvi-las e ajudar no que for possível!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

VOCÊ SERÁ PAPAI

Enquanto eu estava ali, no banheiro, sem poder acreditar ainda que era aquilo mesmo que eu estava vendo e ainda imaginando a maravilhosa surpresa que eu faria para o pai do bebê que eu esperava, quem surge?

Sim, ele! O pai da criança!

Escondi depressa o teste debaixo do tapete do banheiro… e ele já chegou falando coisas nada a ver, e eu sem conseguir prestar atenção no que ele tava falando, ainda em estado de choque, fiquei ali, sentada…

E num rompante de emoção, a única coisa que pensei em fazer (ainda bem), foi ligar a câmera do celular e mostrar o teste pra ele… Não viu o vídeo ainda? Assista aqui.

Sim, minha revelação para o meu marido não foi absolutamente nada glamorosa, não teve parque com jardins, sol brilhando no céu, balões subindo com escritas de amor…

Mas teve muita emoção, falta de reação por parte do Hugo, atônito, sem entender ou acreditar no que estava vendo, afinal, ele também nunca tinha visto algo parecido em todos esses anos!

Foi lindo, emocionante… finalmente caí em mim, sai daquele banheiro, o abracei, choramos, sorrimos, ORAMOS!

Oramos agradecendo a Deus pelo milagre concedido, e a primeira reação que tivemos, foi entregar a vida dessa criança nas mãos de dEle, pois foi Ele quem nos deu, e a Ele a dedicaremos…

Assim como Ana dedicou Samuel a Deus, nosso filho ou filha também será dedicado a Ele, para que a nossa benção abençoe a muitas outras pessoas!!!

Aquela manhã, foi uma manhã difícil de se concentrar, não conseguia pensar em mais nada. Fiz o beta, positivasso… mais de 30.000 mUI.

Agora, começava a saga de como contar pra família. Como faríamos? Existem muitas ideias na internet, então comecei buscar alguma forma de fazer isso… e achei uma bem legal, que foi a que escolhemos… no vídeo a reação, a emoção, cada um do seu jeito, é muito legal de ver e sentir tudo de novo!!!

Trabalhamos de manhã nesse dia, pois a tarde teria o Jogo do Brasil. Já tinha combinado de ir a casa da minha mãe assistir com eles, então quando estivesse só a família reunida, contaríamos a novidade!!!

E assim fizemos. Convidei a todos para tirarmos uma selfie juntos, ao invés de estar com a câmera ligada para foto, estava filmando… e quando contei… nossa!!!! Que delícia…

Para quem não entendeu a reação da minha mãe gritando “meu sonho! Meu sonho!”, vou brevemente explicar…

Toda vez que minha mãe sonha que alguém está grávida, essa pessoa pode fazer o beta, porque vai estar!!! E ela NUNCA tinha sonhado comigo grávida… eu sempre pedia, mãe sonha comigo, sonha comigo, por favor…

Naquela semana, de sábado pra domingo, ELA SONHOU! Sonhou que eu chegava e falava, gente, agora é verdade, estou grávida!!! Ela disse que o sonho foi só isso… eu falei e ela acordou!!!

Eu já estava grávida!!! Eu não sabia, nem ela… mas Deus já havia mostrado pra ela em sonho a maravilhosa benção que Ele tinha nos concedido!!!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

E AGORA? COMO CONTINUAR?

No dia em que consegui minha consulta com o Obstetra, chorei ao telefone implorando pra secretária um horário. Chorei depois de desligar o telefone quando consegui esse horário.

Chorei, não sei se de alegria por ter conseguido o horário, ou de desespero por estar totalmente perdida e tentando buscar, achar respostas para tanto sofrimento e frustração!

O ano de 2017, é um ano que eu e meu esposo queremos apagar de nossas memórias… sem dúvida alguma foi o ano mais difícil e sofrido que já tivemos em toda nossa história juntos…

E acho que após essa ligação, todo esse peso veio em cima de mim… e sem saber por que, chorei, e chorei muito!

O dia da consulta chegou, estava muito ansiosa, afinal tinha ouvido falar muito bem desse médico e das maravilhas que ele fazia como cirurgião. Tinha renovado minhas forças, na esperança de que ele, cirurgicamente, adormeceria minha endometriose de uma vez.

Já no consultório, depois de algum tempo esperando, chegou nossa vez. Já era bem tarde e o médico nos atendeu com um sorriso no rosto, viu todos os exames que levei, pediu mais alguns, e também pediu que na próxima consulta levasse os vídeos das minhas cirurgias anteriores.

Já com os exames em mãos, retornamos para a segunda consulta, ele olhou todos, explicou tudinho nos mínimos detalhes, viu minhas cirurgias e disse que com base em tudo que ele havia visto, não indicaria nova cirurgia, tendo em vista que aparentemente minha endometriose estava controlada e não era esse o motivo de não ter conseguido engravidar até então, mesmo após 3 Fertilizações in vitro.

Então, me lembro disso como se fosse hoje, olhando para todos os nossos exames em cima da mesa dele, ele se debruçou e coçando a cabeça ele disse: “olha, o caso de vocês não está tão complexo, mas sabe, tem uma vírgula que nenhum médico viu e nem eu estou vendo, mas se vocês confiarem em mim, eu vou achar”!

Cara isso me deixou tão feliz… inclusive ele foi o primeiro médico que me disse que eu teria chances de conseguir uma gravidez espontânea, coisa que ainda não tínhamos ouvido de nenhum outro.

Ele ainda disse que como ele encontraria nosso problema, a decisão seria nossa de partir para outra FIV, ou aguardar uma gravidez natural, mas que a função dele era proporcionar uma gravidez espontânea.

Aí, ele me perguntou, “Você já fez uma histeroscopia?”… eu nem sabia o que era, você também não? OK, vou fazer um post específico sobre isso, pode deixar!

Respondi então que não, ele surpreso questionou, como que em 6 anos de tratamento, nenhum médico havia pedido um exame desse que pode revelar tantas coisas sobre o aparelho reprodutor da mulher???!!!

Sai do consultório com todos os pedidos em mãos… queria fazer esse exame o quanto antes… e se através dele, pudéssemos descobrir a falha? O motivo pelo qual não engravidava?

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

COMPANHEIRISMO

Sempre gostei de acampar. É certo que não acampei mais que umas 15 vezes na vida, mas gosto. Apesar de estar protegido apenas por uma barraca e sujeito a chuva e frio, acho legal a sensação.

Quando o médico marcou a primeira cirurgia da endometriose da Talita logo me propus a acompanhá-la do começo ao fim. Participei de todos os exames e consultas possíveis e então fomos para o hospital às 20 horas do dia anterior ao procedimento. Chegando lá, tudo correu normalmente e eu estava até que tranquilo. O sono não foi dos melhores pois o banco estofado onde dormi naquela noite perdia de longe em conforto quando comparado ao colchão de ar dos meus acampamentos. Não tinha chuva nem frio no ambiente externo, mas no interno já não posso dizer a mesma coisa.

O procedimento era simples: a chamada videolaparoscopia é realizada com sedação geral e apresenta uma rápida recuperação com baixo risco. Parecia ser a solução para nossos problemas! O médico retiraria os focos da inflamação e isso não atrapalharia mais a nossa jornada.

Sabe, confesso (pela sétima vez) que lá no fundo eu acreditava que tudo aquilo era desnecessário e logo nosso objetivo seria alcançado e tudo daria certoMas quando olhava pra Talita se submetendo à toda aquela situação, já não sabia mais se daria tão certo assim.

É evidente que nenhum procedimento cirúrgico garante 100% de resultado ainda que possa ocorrer, mas parecia tão simples que talvez aquela intervenção pudesse ser desnecessária.

Como pode algo tão simples pra algumas pessoas se tornar tão complexo pra outras?

Ainda acredito que tudo vai dar certo, porém, não acredito mais que médicos, tratamentos e até mesmo intervenções são desnecessárias pois se assim fosse, talvez nem escrevendo agora eu estaria.

Estar ao lado dela nessa jornada, em todos os momentos, é o maior segredo para o casamento continuar legal. É como convidar alguém pra acampar e dividir a mesma barrada. Mesmo que haja frio e chuva, é muito mais fácil superar ao lado de um companheiro(a), quer seja pra rir ou pra chorar.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

AMNÉSIA PARTE 2

Até aquele momento a minha adrenalina estava nas alturas e achava que estava lidando bem com a situação. Quem me conhece sabe que sangue não é minha praia, mas o senso de urgência nos faz ultrapassar essas barreiras e fazer o que deve ser feito, que naquele momento era cuidar da Talita. Seu choque estava passando e mais dores começaram a surgir.

Até então, acho que ela não tinha se ligado direito do corte no queixo, quando viu o sangue na gaze, perguntou o que era e eu caí na besteira de falar que ela havia cortado o queixo. Aí, me infernizou que queria ver…

Porém, quando ela se olhou no espelho e viu a ferida aberta em seu queixo, uma emoção, um estado de pânico subitamente a fez chorar muito e começar e tremer.

Eu a abracei e tentei acalmá-la, foi então que aos prantos ela me perguntou: “Amor, o que aconteceu comigo? Porque estou machucada? Onde eu caí?”

Não sei se você já passou por algo parecido com alguém, não sei se você conseguirá sentir metade do que senti ou sinto agora, mas não tenho como descrever a sensação.

Respondi todas as perguntas e ela continuou chorando. Um minuto depois ela perguntou: “Amor, o que aconteceu comigo? Porque estou machucada? Onde isso aconteceu? Porque não me lembro? Será que vou lembrar das coisas?”.

Foi então que fiquei realmente preocupado. Mesmo respondendo com calma às suas perguntas, ela continuou perguntando as mesmas coisas, seguidamente, e após ouvir minhas respostas, com lágrimas, ela me questionou por mais 3 vezes!!! Ela não lembrava da queda, da ferida, e ficou ainda mais desesperada quando percebeu isso.

Fomos ao médico. Limpamos os machucados e fechamos a ferida maior. Foram 5 pontos no queixo e duas horas depois ela lembrou da queda, do meu atendimento e da ida ao posto, mas nunca mais lembrou dos difíceis momentos no banheiro, do choro e das perguntas.

No início de todo o tratamento, quando as coisas começam a dar errado e a gravidez demora, muitas pessoas diziam: “Esqueça de querer engravidar, relaxa, que então dá certo”. Até mesmo eu por algumas vezes falei isso pra ela, tanto com tom de aconselhamento como por desabafo e até mesmo com indignação.

Hoje me arrependo… Hoje a sexta confissão é: nunca diga pra ela esquecer.

Não se esquece uma ferida aberta que gera dor mesmo sem se perceber. Não se esquece um amor, ainda que se queira negá-lo.

A cada ciclo finalizado ou iniciado. A cada consulta médica. A cada relato de quem “conseguiu” (esta palavra é a mais utilizada quando alguém engravida, porém, não concordo mais que seu sentido é adequado para o caso, pois engravidar não é algo que se “consegue”, mas é história pra outro dia), a cada relação, a cada texto postado aqui… lá no fundo… nós mexemos na ferida que está aberta.

Nunca diga para uma mulher que quer ser mãe esquecer desse sonho. Este é o tipo de amnésia que nunca dará certo, muito menos com palavras.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

NÃO FOI POSSÍVEL DIZER “NÃO” ÀS DROGAS

Depois de uma pausa necessária pra mim mas muito perturbadora para a Talita, que agora adotou a postura de uma verdadeira redatora de jornal cobrando 10 textos do pobre escritor, retomo minhas lembranças dos fatos que nos trouxeram até aqui.

Realizados os exames e concluídas as primeiras consultas, o GPS médico só teria uma direção a nos dar: a farmácia! E o que isso significa? Dinheiro! Muito dinheiro!!!

Apesar de o diagnóstico não ser favorável, sempre mantive uma postura positiva, mesmo assim, as coisas foram aparecendo e se já não bastasse a endometriose (que gera uma dor terrível na mulher), a tal da síndrome do ovário policístico (que bagunça o ciclo menstrual) também foi identificada.

Perdi as contas de quantas caixas de medicamentos foram compradas e consumidas pela Talita.

Meu irmão é médico e admiro muito os profissionais da saúde, pois conseguem lidar com a dor alheia e identificar quais produtos químicos, ao serem ingeridos, irão agir no organismo para estimular ou desestimular determinada reação, porém, é evidente que a natureza trabalha com o princípio da causa e efeito e tal premissa, se aplicada ao nosso corpo em relação aos medicamentos, pode resultar em situações desagradáveis.

Queda de cabelo, verrugas, manchas, pintas no corpo, tontura, mal-estar, stress, ansiedade, alterações drásticas de humor, olha, a lista não é exaustiva e nem “taxativa”, na linguagem jurídica, pois a cada ciclo menstrual e a depender de cada mulher, os sintomas podem ser mais ou menos intensos, mas geralmente, não são positivos.

Atribuo tudo isso às drogas que a Talita precisou ingerir. Evidente que alguns dos sintomas listados podem ser naturais devido às alterações hormonais mensais, porém, pra quem convive diariamente com ela, não foi difícil perceber as alterações que os medicamentos geraram.

Infelizmente, foi impossível dizer “não” às drogas receitadas pelos ginecologistas visando induzir a produção de óvulos durante aquele período, porém, elas cobram seu preço.

Quarta confissão: tenho medo dos efeitos colaterais que os medicamentos – ingeridos de forma contínua e por longo tempo – podem gerar em nosso corpo após alguns anos. Não consigo desvencilhar a ideia de causa e efeito.

Bem, ingenuamente me preocupava com as várias caixas de comprimidos sem saber que o pior ainda estaria por vir e eu teria que fazer algo impensável pra mim.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

DIA DE RENOVAR FORÇAS

Vou pedir licença para meu colaborador (meu esposo) para escrever um pouquinho no dia de hoje!!!

Hoje completo mais um ano de vida, e mais um ano na tentativa de ser mãe, sim, foi no dia 05/02/2012 que resolvi que não mais tomaria anticoncepcional para enfim realizar um sonho que descobri ser só meu (meu digníssimo esposo me revelou isso em um dos Post’s dele e você pode verificar aqui).

Hoje, e a cada aniversário que passa desde então, renovo minhas forças, minha fé, renovo o meu sonho que eu tenho certeza que teve início no coração de Deus.

Ano passado, nesse mesmo dia, quando publicava uma foto com escritos de agradecimento por mais um aniversário, eu tinha certeza que hoje já teria realizado meu maior sonho nesta terra, ou pelo menos estaria prestes a realizar… Mas a cada ano que passa, Deus em sua infinita misericórdia me ensina que eu não decido nada, que eu não domino o querer e o poder, muito menos o executar e que todas as coisas estão nas mãos daqEle que me criou, que me mantém e sabe o que é melhor pra mim!

Infelizmente, mais um ano chega e o sonho ainda não se realizou, mas não posso me deixar abater, porque eu creio em um Deus que é muito maior do que tudo que eu possa esperar e sonhar… Ele é muito maior que o intenso desejo de me tornar mãe, porque somente Ele sabe o que é melhor!!!

Por isso, encaro esse ano que se inicia em minha vida como mais uma oportunidade de amadurecer minha fé, mais um ano para influenciar positivamente as pessoas que me cercam, mais um ano pra lutar e lutar, mais um ano de aprendizado sobre ACEITAR a vontade dEle para mim!!!

Por isso, nesse dia tão especial para mim, eu não comemoro apenas a idade nova, mas comemoro uma Talita nova, mais madura, com uma fé que não é cega, mas que se renova a cada manhã…

Gosto muito de uma música e das palavras que ela contém:

“Quero ser fiel a toda prova,

Fiel em qualquer tempo e qualquer hora,

Quero ser fiel no que é pouco, para ser fiel no que é MUITO!

Quero ser fiel a toda prova não por uma mera obrigação,

Mas em resposta ao amor tão grande que um dia inundou o meu coração!”

 

Se você estiver passando por uma situação complicada em sua vida, seja ela um problema de saúde, na família, ou até mesmo uma gravidez que não acontece, como é o meu caso, que estas palavras possam de alguma forma te ajudar a renovar suas forças e crer que o milagre da sua vida chegará, assim como vai acontecer na minha.

Parabéns a todos os aniversariantes do dia 05 de fevereiro!!!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

OI? MÉDICO? EXAME? PRECISA MESMO?

Escrever num blog? Nunca imaginei que faria isso, ainda mais pra contar algo tão íntimo.

Mas intimidade, dentro de um casamento, significa confiança e cumplicidade: todas, e isso é verdade em casa, todas as decisões são tomadas após várias conversas, contas, pesquisas, argumentações e discussões (sim né, são dois advogados, não tem graça defender o ponto de vista em menos de 40 minutos além do direito a réplica, tréplica, considerações finais e recurso).

Então, vamos tentar! E esta parte muito me interessa! Só que mês a mês as coisas não saíam como a Talita esperava.

Na verdade, eu não queria ser pai, como expliquei no texto anterior que pode ser visto aqui, mas é claro que eu queria ver a Talita mãe! Era o que ela sempre quis! E isso começou a soar muito estranho dentro de mim.

Era uma situação conflitante: cada vez que a menstruação chegava (com a prévia das terríveis cólicas) ou os exames davam negativos quando a maldita atrasava, eu não ficava contente ou aliviado, não mesmo, em absoluto, mas por outro lado, eu não sonhava em ser pai ou algo assim, se desse certo, ok! A gente se adapta. Se não der, ok também! Temos muitas outras coisas pra fazer e somos jovens né, tá tudo sob controle.

Mesmo assim, a Talita começou a se preocupar e quis procurar um médico… ai, ai, ai… será mesmo que precisa? Sempre ouvi histórias de casais que demoram mesmo pra engravidar, mas que isso é algo natural e num belo momento acontece!

Bem, segunda confissão: se você ou sua esposa quer ter filhos e depois de 6 meses “trabalhando de forma árdua neste processo” o objetivo não for alcançado, PROCURE UM MÉDICO ESPECIALISTA EM GINECOLOGIA rápido e faça OS EXAMES básicos.

Me lembro de dois exames básicos pra mim, o hemograma completo e o espermograma completo. A Talita fez o US (ultrassom) intravaginal (ou transvaginal) pra contagem de óvulos e mais tarde um tal de salpingoahfdaude (eita nome estranho, histerossalpingografia).

Tá bem que minha resistência a estes exames era grande, tanto que eu nem me inteirava de nada no começo e também não fiz os meus, mas como explicarei no próximo texto, isso é muuuuuuuuuuito pouco diante do que a minha guerreira ainda passaria nessa jornada.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

OI! SOU UM MARIDO DE TENTANTE!

Olá… sou o Hugo marido da Talita e a pedido da minha querida, mesmo resistindo um pouquinho, vou tentar contar um pouco da minha experiência e minha visão das coisas como marido de tentante.

E pra começar já faço a primeira confissão: no começo eu não queria ser pai!

Sempre gostei de crianças (apesar de não ter crescido próximo a irmãos ou primos bebês, o que pode criar uma familiaridade com eles e facilitar no traquejo do cotidiano) e claro que a possibilidade ser pai surgiu com o casamento, porém, tenho muitos amigos que desde sempre sonharam ter um filho logo no início do casamento e tal… mas eu não!

Foram 3 anos de namoro na faculdade (o que representa inexistência de dinheiro na conta bancária), mais 2 anos de namoro já formado até o casamento (o que também representa inexistência de dinheiro na conta bancária)  e depois mais 2 anos trabalhando como recém formados e casados (o que ainda representa inexistência de dinheiro na conta bancária) e então, quando passamos no concurso e as coisas começaram a se encaixar e o dinheiro começou a aparecer pra fazer tudo aquilo que sempre sonhamos desde os tempos da faculdade, um bebê??? Me desculpe amor, mas acho que ainda não é a hora!

Eu pensava em ter um filho depois de alguns anos, depois de aproveitar o casamento e de a estabilidade financeira chegar, sempre pensei que uns 5 anos de casamento seriam suficientes.

Mas depois de 2 anos de casados a Talita parou com o anticoncepcional. Bem, ela sabe que eu não gosto mesmo da ideia de ingerir medicamentos mensais, ainda mais estes hormonais, então, não me opus mas ainda achava cedo… porém, nunca imaginei que os passos futuros seriam tão longos…

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A OUTRA PARTE DA HISTÓRIA

  

Depois de alguns dias distante do meu diário preferido, retorno com novidades!!!

Até agora, tenho contado minhas impressões e meus sentimento a respeito de todo o processo na tentativa de gestar.

Mas e se eu colocasse meu marido para escrever as impressões e sentimentos dele durante todo esse tempo?

Como seria? Será que eu me surpreenderia com o que ele vai escrever? Positivamente? Negativamente?

Será que ele sempre teve a mesma imensa vontade de ser pai, tanto quanto eu quero ser mãe?

Todas as mulheres que passam por esse processo sabem que o que a mulher sente é bem diferente do que o homem sente, pensa e reage aos tantos negativos que recebemos a cada mês.

Eles são mais práticos e bem menos sentimentais que nós. E quando o problema é só com a gente, a forma de encarar toda a situação é ainda mais diferente.

Então, pensando nisso, conversei com a criatura (meu lindo marido) e pedi que ele começasse a escrever também e ele topou…

Então, os próximos Post’s serão escritos por ele, mas quero que vocês continuem mandando suas impressões…

Acho que isso será muito legal, e eu estou super curiosa pra saber a visão dele diante de tudo isso que tem acontecido na nossa vida nesses últimos quase 6 anos de tentantes!!!

Ficou curiosa(o) também? Então não deixe de acompanhar, acho que teremos algumas surpresas por aqui…

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…