CORRIDA CONTRA O TEMPO

Depois do último negativo de outubro/2017, mais uma vez nos planejamos de viajar… e dessa vez seria com amigos, estávamos ansiosos para o mês de abril chegar logo.

Por causa dessa viagem, tive que correr contra o tempo para adiantar todas as liberações e exames necessários para que a histeroscopia fosse feita antes da viagem.

E consegui!!!!

A viagem estava marcada para dia 18/04/2018 e o procedimento aconteceu no dia 14/04/2018. Por ser bem simples e não depender de repouso, sai no mesmo dia do hospital, super bem, sem dor, sem nenhum sintoma.

Viajamos, passeamos muito… foi muito divertido e retornamos no final do mês de abril. Tinha consulta marcada no dia 09 de maio para saber o resultada da histero.

No consultório, o doutor nos mostrou o vídeo de como eu sou por dentro!!! Hahahaha gente, me assustei…. existem dentro de mim milhões de micro pólipos… muitos mesmo… que demostram a endometrite (sim, mais uma coisa pra conta), bem como a presença muito forte das células NK (Natural Killer) que são células de defesa que em algumas mulheres a presença é muito maior, causando abortamentos, ou até mesmo a morte dos espermatozoides (meu caso)!

Gente!!! Que coisa!!! Tudo comigo!!!

Mas aí, o médico vem e me diz que em estudos recentes, muito recentes mesmo, ou seja, sem comprovação científica nenhuma, se a mulher com um quadro igual ao meu tomasse um determinado tipo de antibiótico por 10 dias, a partir do vigésimo dia após o início do tratamento a curva de fertilidade poderia aumentar em até 40%!

What???? Sério??? É claro que quero tomar esse negócio!!! MAS ATENÇÃO! O médico me falou, tome muito cuidado, pois trata-se de um antibiótico muito forte, os efeitos colaterais dele não são bons, e pode te gerar alguns probleminhas devido a sua macro biota estar totalmente desprotegida!!!

Confesso que na hora deu um medinho, mas depois de ouvir que ele achava que tinha encontrado nosso problema… todo o medo passou!!!

Saímos da clínica direto para a farmácia pra comprar o tal antibiótico. Comecei a tomar naquele dia mesmo!

Tomei uma série de cuidados, muitos mesmo, afinal eu fiquei praticamente sem imunidade nesses 10 dias…

Os 10 dias passaram… a vida continuou… o mês de junho se aproximava e muitas atividades estavam por vir…

Decidimos que no mês de junho faríamos mais uma transferência, agora dos meus óvulos que estavam congelados, os fertilizaríamos e a transferência seria a fresco.

Então, comprei os medicamentos que o Dr. Vinícius me passou, e estava aguardando a menstruação vir para dar início ao preparo do endométrio.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

E AGORA? COMO CONTINUAR?

No dia em que consegui minha consulta com o Obstetra, chorei ao telefone implorando pra secretária um horário. Chorei depois de desligar o telefone quando consegui esse horário.

Chorei, não sei se de alegria por ter conseguido o horário, ou de desespero por estar totalmente perdida e tentando buscar, achar respostas para tanto sofrimento e frustração!

O ano de 2017, é um ano que eu e meu esposo queremos apagar de nossas memórias… sem dúvida alguma foi o ano mais difícil e sofrido que já tivemos em toda nossa história juntos…

E acho que após essa ligação, todo esse peso veio em cima de mim… e sem saber por que, chorei, e chorei muito!

O dia da consulta chegou, estava muito ansiosa, afinal tinha ouvido falar muito bem desse médico e das maravilhas que ele fazia como cirurgião. Tinha renovado minhas forças, na esperança de que ele, cirurgicamente, adormeceria minha endometriose de uma vez.

Já no consultório, depois de algum tempo esperando, chegou nossa vez. Já era bem tarde e o médico nos atendeu com um sorriso no rosto, viu todos os exames que levei, pediu mais alguns, e também pediu que na próxima consulta levasse os vídeos das minhas cirurgias anteriores.

Já com os exames em mãos, retornamos para a segunda consulta, ele olhou todos, explicou tudinho nos mínimos detalhes, viu minhas cirurgias e disse que com base em tudo que ele havia visto, não indicaria nova cirurgia, tendo em vista que aparentemente minha endometriose estava controlada e não era esse o motivo de não ter conseguido engravidar até então, mesmo após 3 Fertilizações in vitro.

Então, me lembro disso como se fosse hoje, olhando para todos os nossos exames em cima da mesa dele, ele se debruçou e coçando a cabeça ele disse: “olha, o caso de vocês não está tão complexo, mas sabe, tem uma vírgula que nenhum médico viu e nem eu estou vendo, mas se vocês confiarem em mim, eu vou achar”!

Cara isso me deixou tão feliz… inclusive ele foi o primeiro médico que me disse que eu teria chances de conseguir uma gravidez espontânea, coisa que ainda não tínhamos ouvido de nenhum outro.

Ele ainda disse que como ele encontraria nosso problema, a decisão seria nossa de partir para outra FIV, ou aguardar uma gravidez natural, mas que a função dele era proporcionar uma gravidez espontânea.

Aí, ele me perguntou, “Você já fez uma histeroscopia?”… eu nem sabia o que era, você também não? OK, vou fazer um post específico sobre isso, pode deixar!

Respondi então que não, ele surpreso questionou, como que em 6 anos de tratamento, nenhum médico havia pedido um exame desse que pode revelar tantas coisas sobre o aparelho reprodutor da mulher???!!!

Sai do consultório com todos os pedidos em mãos… queria fazer esse exame o quanto antes… e se através dele, pudéssemos descobrir a falha? O motivo pelo qual não engravidava?

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

POSITIVO? NEGATIVO?

Ficamos ali, os dois, sem respirar, olhando aquele teste, os segundos se tornaram horas…

Esse tempinho que tem que esperar pro teste começar a acontecer, como é terrível, parece que nunca acaba, como pode?!

Nesse momento, muitas coisas passaram na minha cabeça… e se der positivo? Como vai ser? Vamos contar pra todo mundo? Só pra família? Vamos esperar? Será que vai ser um só? Ou dois? Gente! Muita coisa!!!

O teste começou a trabalhar, o primeiro risquinho apareceu… mas… mais uma vez, nada do segundo!

De novo meu Deus!!! Mais um negativo pra conta.

Mais um luto, mais um sofrimento, mais um negativo, as respostas não vinham e acho que nunca virão.

Mandei o resultado pro doutor… como queria ter mandado um positivo, mas a única coisa que tinha nas mãos era aquele ridículo NEGATIVO!

O dia foi longo e triste. Nada fazia sentido pra gente. Tentei me manter firme, deixar os dias acontecerem, mas não é fácil!

Estávamos com uma viagem programada para o mês de novembro, minha mãe iria junto, quando achamos que dessa vez seria positivo, já tínhamos planos de como contaríamos pra ela lá em Natal/RN… os sonhos eram lindos, mas a realidade foi dura com a gente!

Passamos dias maravilhosos, o que me ajudou bastante a superar mais esse NÃO de Deus pra nós.

Quando retornamos, liguei pro Dr. e disse que não aguentaria mais uma transferência e que queria apagar 2017 da minha memória!

Ainda quero, posso dizer, com toda certeza do mundo, que 2017 foi o pior ano das nossas vidas!

Queria dar um tempo, investigar como estava minha endometriose, quem sabe fazer uma outra cirurgia, não sei… acho que queria virar a página, e em 2018 tentar outra vez.

Ele respeitou minha decisão.

Dias depois a psicóloga da Semear me ligou, conversamos bastante, foi muito bom… ela se colocou a disposição para quando eu precisasse conversar e desabafar. Fiquei feliz com essa atenção, me senti cuidada sabe…

Foi aí que comecei a procurar um bom médico que fosse especialista em endometriose. Tinha certeza que o que estava me atrapalhando era a endometriose.

A busca foi grande, Londrina, São Paulo e Maringá. Fiquei em Maringá mesmo, porque o acesso pra nós é muito melhor.

Consegui uma consulta em dezembro. Esperei ansiosamente por essa consulta!!!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

MAIS UMA TEC? TEMOS!

Depois de tanto duvidar, conversar, orar… decidimos que sim, tentaríamos outra TEC no mês de outubro de 2017.

A menstruação descendo, já daria início aos preparativos do endométrio com o gel e a medicação que já havia tomado da outra vez.

Agora, eu estava com um sentimento diferente. Não sei explicar muito bem, mas eu estava diferente. Confiante sim que um dia meu positivo chegaria, mas ao mesmo tempo, não queria colocar todas as minhas expectativas nesse procedimento, acredito que mais uma vez, essa seria uma maneira de me proteger da dor de mais um potencial negativo.

E assim permaneci, fomos no dia combinado para fazer a US pra verificar o endométrio, e uma vez estando com a espessura apropriada, em 4 ou 5 dias faria a transferência novamente!

E estava, lindinho, crescidinho, do jeito que precisava para receber os embriões congelados.

Mais uma vez, fomos até Ribeirão e até aí tudo igual, chegamos cedo, tomei banho, sem perfume, sem maquiagem, sem hidratante, sem nada!

Cheguei já com a bexiga cheia, dessa vez não esqueci de tomar bastante água. O procedimento foi o mesmo da primeira vez, não leu? Então aqui está sua chance!

Transferido. Mais uma vez estava com minhas bolinhas dentro de mim.

Como disse ali em cima, eu estava diferente dessa vez. Não quis ficar no hotel, ficamos no mesmo da última vez, então fomos ao shopping, a pé… não queria ficar sozinha, meus pensamentos estavam a mil.

Passeamos, comemos, rimos, foi gostoso, eu quase esqueci o motivo pelo qual estava ali. Mas não tem como.

Voltamos pro hotel, descansei um pouco e logo chegou a hora de voltar pra casa. Tudo igual, chegamos em Maringá, depois fomos pra Mamborê, não trabalhei nesse dia e a vida seguiu!

Dessa vez a beta espera não foi tão sofrida, não fiquei tão ansiosa, os dias passaram mais rápido e o teste desta vez cairia em uma quarta-feira!

Na terça, eu estava na academia, e recebo um áudio no whatsapp. Era o Dr. Vinícius, mais ansioso que eu!!! Hahahaha pedindo que eu fizesse o teste porque ele não aguentava mais esperar!!!! Hahahaha achei muito engraçado isso!

Mesmo que eu estava tão desanimada, devido ao último negativo, eu alimentava uma esperança, pois alguns dias depois da TEC, eu tive um corrimento marrom claro, por dois dias e eu acreditava ser a NIDAÇÂO, não sabe o que é? Vou escrever um Post específico sobre isso, aguarde!!!

Lá no fundo, dessa vez eu acha que tinha dado certo! Então quando o doutor me pediu para adiantar o dia do teste, achei bom…

Voltei pra casa, chamei meu marido, mostrei o áudio pra ele e decidimos fazer o teste naquela hora mesmo!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

A TERÇA-FEIRA

E então amanheceu, um belo dia de sol de setembro. Já fiz muitos testes de farmácia durante todos esses anos de tentante, mas não sei porque, sempre tive medo do negativo e isso me bloqueava, me fazia hesitar e muito de fazer testes de gravidez a cada atraso menstrual que tinha.

E nesse dia, não seria diferente, mesmo com toda a ansiedade envolvida, o medo estava ali, presente, batendo, e se der negativo? Como será que vou reagir? Será que aguento mais um?

Não sei se essa é a maneira que tenho inconscientemente de me proteger do sofrimento, mas sou assim em vários aspectos da minha vida.

Enfim, criei coragem e fiz xixi no teste. Tremendo, observei atentamente se algo iria acontecer e um segundo palitinho apareceria.

E não, não apareceu!

Um mundo de esperanças cai por terra! Escrevendo agora, choro só de lembrar. É uma dor que só quem passa entende. Você se agarra com todas as suas forças àquela esperança de conseguir seu positivo, e ele não vem. Por que? Por que comigo? Por que não consigo? Será que fiz algo de errado? Será que não me cuidei direito? Será que foi minha culpa? Será? Será?

A sensação de impotência é tão grande, uma tristeza… parece algo tão solitário, um sofrer que não tem como dividir. O Hugo, ficou arrasado, mas quem sente tudo, somos nós mulheres, afinal, tudo acontece com a gente… e é por causa da gente que a gravidez não acontece, pelo menos era isso que eu pensava e me fazia sofrer ainda mais.

Mandei o negativo pro doutor, que ficou arrasado junto. Mas ao mesmo tempo, tentando nos colocar pra cima e não deixando que desanimássemos.

Mas como é difícil. Chorei a manhã toda. Não queria sair de casa, não queria trabalhar, não queria sair da cama. Só que a vida continua, e ninguém tinha que ver com nossos problemas!

Meu trabalho me esperava, as pessoas me esperavam, a VIDA me esperava!

Tive que erguer a cabeça, enxugar as lágrimas, colocar um sorriso no rosto, engolir meu luto e seguir, seguir a vida que me era proposta!

Mas a ferida, essa continua aberta, latente, a todo momento te lembrando que mais uma vez, o fracasso bateu à sua porta.

Muitas dúvidas pairavam na minha cabeça. Incomodei demais o Dr. Vinícius nos dias que se seguiram, mas muito mesmo, a todo momento ficava mandando áudios, mensagens, artigos e reportagens sobre FIV (sim, fiz isso) e ele, gentilmente e prontamente, me respondia e explicava as mesmas coisas incansavelmente!

Que pessoa, que médico!

Tinha mais 2 pinguis congelados, mas meu medo era de transferir e ter outro negativo. Queria investigar mais, tomar um milhão de medicamentos e gastar MUITO mais com isso… mas o Dr. Sempre dizia que aquilo poderia não fazer diferença nenhuma no resultado, só me faria gastar mais…

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

BETA ESPERA 2

Voltamos para o hotel, como estava em jejum, a fome estava grande e no hotel que ficamos, bem próximo havia um shopping!

O Hugo foi até lá e eu fiquei deitadinha, sonhando com minhas bolinhas, conversando com elas, falando com Deus, implorando pra que elas gostassem da casinha delas e ficassem ali pelos próximos 9 meses.

Meus olhos brilharam quando o Hugo chegou com a comida! Quem me conhece sabe que eu não sou a melhor pessoa quando estou com fome! Hahaha

Foi o melhor macarrão Spoletto que eu já comi na minha vida! Fiquei mais feliz ainda, porque os potinhos para viagem pareciam Tupperware (sim, adoro essas coisas e guardo tudo! ME JULGUEM!)

Comi, comi muito, o meu, o do Hugo, depois o meu de novo, foi top! E depois de comer fiz outra coisa que adoro… dormi… o sono dos justos, acordei minutos antes de termos que ir para rodoviária pra retornarmos pra casa.

Voltamos de ônibus, fomos de leito! Gente, que que é aquilo? Nunca havia viajado de ônibus leito, é muito chique e confortável! Tanto, que o motorista teve que nos acordar quando chegamos em Maringá, hahahaha só eu e o Hugo ainda estávamos no carro.. que vergonha!

Pena que é o dobro mais caro, senão, vishi só viajaria de leito, certeza!

Chegamos em casa, o Hugo foi trabalhar e eu fiquei de atestado nesse dia apenas. Ninguém sabia da FIV que estávamos fazendo, apenas um casal amigo.

Tentei relaxar, ouvir música, assistir a um bom filme, mas olha… é difícil heim… como é difícil desligar e esquecer que existem 2 bolinhas em potencial de se tornarem um bebê, ou dois, por que não?

Mas os dias foram passando, a vida continuou normal, voltei ao trabalho, até a academia eu fui.. mas o D12 não chegava nunca!

Estávamos muito confiantes, orávamos a Deus todos os dias, a todo momento clamava por misericórdia e pela benção de me tornar mãe.

Com o passar dos dias a ansiedade aumentava, as noites eram longas e os dias, nem se fala. Mas a todo momento, confiando que Deus faria o melhor para nossa vida.

O dia de fazer o teste estava chegando, era pra ser em uma terça-feira. Chegaria dezembro mas essa terça-feira não chegava nunca…

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

PINGUINS

Com a bexiga devidamente cheia, entrei na sala onde a transferência seria feita… o Hugo estava junto dessa vez, nervoso, com as mãos geladas, e eu? Nem conseguia me mexer, porque com certeza faria xixi… então melhor manter a cara de paisagem… hahahaha

A transferência dos embriões (TEC), é um procedimento bem rápido e indolor, por meio de uma ultrassonografia, fica bem claro a bexiga cheeeeia de líquido e o útero fica visível.

Uma vez detectado o útero, um cateter contendo os embriões é inserido (como se fosse uma US transvaginal) e bem devagarinho, você vê umas bolinhas caminhando pela tela do monitor e ficando dentro do seu útero.

O Dr. Vinícius chegou na sala, orou (achei lindo isso) e autorizou o laboratório a “abrir a janelinha” e entregar meus pinguins para entrarem na barriga da mamãe.

Foi lindo e emocionante. Em menos de 3 minutos eles já estavam comigo. Aquela sensação de que agora só dependia de Deus e da natureza agir, mas que eu também teria responsabilidade pra que tudo aquilo desse certo, estava bem vivo dentro de mim.

Fiquei mais uns 5 minutos ali deitada na maca (que pareceram uma eternidade, que vontade de fazer xixi minha gente!!!!), e depois já pude levantar, FAZER XIXI e me trocar.

Pois é, fazer xixi… e o medo de jogar fora meus pinguins?! Hahahahaha sei que não existe essa possibilidade, mas duvido se existe alguma mulher nesse mundo que tenha feito FIV e que não tenha pensado nisso!!! D U V I D O!!!!! HAHAHAHAHAHAHA

Trocada, com a bexiga devidamente vazia e no hall de entrada da clínica, esperamos o doutor nos chamar.

Fomos à sala dele, ele nos explicou tudinho como seriam os próximos dias, quem conhece ele, parece que vai ouvir ele dizendo: VIDA NORMAL! SEGUE O BAILE! LANCE NORMAL, SEGUE O JOGO! OPEN BAR!!! Hahahahahaha

Resumindo, nada de repouso absoluto (leia aqui), alimentos a evitar, ou comer demasiadamente! Obvio que cada um faz o que achar melhor e ele deixou isso bem claro, se eu quisesse pedir pra ele um atestado de 7 dias, ele me daria, desde que isso fosse bom pra mim e pro meu psicológico!

Mas não havia nenhuma obrigatoriedade. Até exercícios físicos eu poderia fazer, com cautela é claro, mas VIDA NORMAL, não é mesmo?

Saí da clínica com mais uma sacolinha da Semear, com meus medicamentos que deveria tomar de suporte da gravidez, e com o teste de farmácia que deveria fazer no D12.

Segura a ansiedade, curta o momento, cuide do seu psicológico, era só isso que eu conseguia pensar.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

VEM MENSTRUAÇÃO!!!

Voltamos pra casa com o coração cheio de alegria. Fazendo planos, pensando em como seria a próxima vinda, se de carro novamente, se de ônibus… foi um retorno gostoso.

Chegamos em casa, o Dr. Me deu uns dias de atestado porque eu estava no risco de desenvolver ainda a hiperestimulação, então o repouso era necessário.

Estava tomando cerca de 3 litros de água por dia, fora a água de côco que eu tomava também. Banheiro, sim… toda hora eu estava indo ao banheiro.

Ficaria esse restante de mês de agosto esperando a menstruação vir, para aí dar início ao processo de preparação do endométrio para receber as nossas bolinhas pinguins (meu jeito carinhoso de chamar nossos embriôesinhos congelados).

Quando saí da clínica depois da punção tinha em mãos um gel para passar nas coxas com o antebraço e uns comprimidos, para que no dia que viesse a menstruação, eu já começasse a fazer uso.

Todos os dias eu lia o rótulo do gel e desse comprimido (Duphaston), para saber exatamente o que fazer quando chegasse a hora!

Não adiantou nada!!! Quando veio, a primeira reação que tive foi a de mandar whats pro Dr. Vinícius e perguntar o que ele já havia me explicado incansavelmente! Coitado, sério ele deveria ganhar um troféu só por ter que aguentar essas tentantes ansiosas e cheias de dúvidas!!! Hahaha e eu… jamais seria diferente!

Comecei então a usar o gel e tomar os comprimidos, tudo bem direitinho, duas vezes ao dia se não me engano e com 11 dias após a menstruação tinha que fazer uma US pra ver a espessura do endométrio e marcar a ida para Ribeirão para buscar as bolinhas congeladas.

Meu endométrio estava com uma espessura ótima, mandei o resultado pro doutor e na terça, deveria esta em ribeirão para a TEC (Transferência de Embriões Congelados).

Ô final de semana que não passava, como demorou… dessa vez resolvemos que iríamos de ônibus, e assim fizemos.

Chegamos no hotel, nosso horário estava marcado para as 09:30, tomei um banho, sem perfume, sem hidratante corporal, sem maquiagem… qualquer coisa desse tipo pode prejudicar o ar do laboratório e consequentemente os embriões.

A ansiedade era tanta, que esqueci de tomar água… você tem que estar com a bexiga bem cheia pra fazer a transferência.

Então fiquei na salinha de espera, me entupindo de tomar água. Acho que tomei uns 780 litros de água, pelo menos essa era a sensação quando eu tinha que me segurar pra não fazer xixi na frente de todo mundo!!! Afff hahahaha.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

MAIS LEVE

Já fiz algumas cirurgias nesse processo todo de tentar engravidar, então o que não tenho medo, messsmo é de anestesia, eu até gosto do sono que sinto e meu marido adora tirar sarro de mim quando estou sob o efeito dos anestésicos… falo cada bobeira!!! Hahahahaha

A punção, como já expliquei nesse Post aqui, é um procedimento que é feito com anestesia local e sedação.

Então devidamente posicionada recebi minha dose do soninho e já comecei a ficar mole. O Dr. Havia explicado que o procedimento é relativamente rápido e que aproveitaria a anestesia para fazer uma injúria endometrial, que nada mais é que dar uma arranhadinha no endométrio que melhora a vascularização e consequentemente facilita na implantação do embrião.

De tempos em tempos o anestesista me acordava e perguntava se estava tudo bem. Muito atenciosos, não tem como não ficar encantada!

O resultado da minha punção com tão poucos medicamentos que tomei, foi muito melhor do que o esperado. Tive 17 folículos que resultaram em 15 óvulos, dos 15 separamos 8 para fertilizar que resultou em 4 lindos embriões. O restante dos óvulos congelamos para caso não desse certo tivéssemos outras chances de transferências.

Ah como fiquei feliz, sem hiperestimulação, sem dor, sem estress…

Um detalhe que não me lembro se já falei, é que o congelamento já estava incluso no valor que você paga!

Como tive histórico de hiperestimulação, não transferi a fresco os embriões, eles foram congelados e transferi somente no mês de setembro.

Outra coisa que não tive na outra clínica, recebi um relatório com a quantidade de folículos retirados, quantos óvulos que resultaram, quantos foram fertilizados, a progressão de cada um, a forma de congelamento, tudo.. tudo bem explicadinho, claro e informativo.

Por isso, sério se você que está lendo este Post está na mesma luta que eu, sofre por não ter condições de fazer uma fertilização e essa é sua única saída para conquistar esse sonho, procure o Dr. Vinícius Stawinski, além de um tratamento humanizado as condições são muito facilitadas, sei porque já o indiquei a várias amigas e estas indicaram para outras e todas estão felizes pela escolha que fizeram.

Saí da sala de cirurgia da clínica, ganhei um lanchinho e um suquinho, fiquei um tempo pra acordar na anestesia e assim que melhorei, já fui me trocar.

Incrivelmente, voltei muito rápido da anestesia, não fiquei grogue e falando bobeiras como sempre acontecia.

Quando cheguei na sala de recepção, vi meu maridão com um sorrisão na cara e assustado por eu estar andando sozinha com apenas 20 minutos após o procedimento!!! Hahahaha

Logo o Dr. Vinícius nos chamou e fomos à sua sala, onde ele nos explicou todo o procedimento e como eu deveria me cuidar no pós.

Saí de lá com uma sacolinha com meus medicamentos que deveria tomar, uma linda garrafinha da Semear (porque eu deveria tomar bastante água e a garrafinha era para me incentivar – QUE FOFO!) e o coração cheio de alegria e esperança!

Voltamos embora no mesmo dia!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

TUDO DIFERENTE

Acordamos bem cedinho, nosso horário estava marcado para 08:00 horas da manhã na cidade de Maringá, que fica a 150 km da que moro, Mamborê.

Chegamos, fomos encaminhados ao local que a US seria feita, o médico é o papa das US de pré-natal. E nós lá, ansiosos em meio a várias grávidas, umas no começo, outras já com o barrigão lindo de suas trinta e poucas semanas.

O sonho era de em breve estar ali, não para contar folículos, mas sim para ouvir o coração do nosso bebê… nossa como sonho com esse dia!!!

Fomos chamados a entrar e quando o medico começou a US, já vi, de cara, várias bolas escuras!!! Ele disse, nossa!!! Muitos folículos aqui heim… você está em processo de Fertilização? Respondi positivamente e ele completou, vai ser um sucesso… você respondeu muito bem às medicações, estão crescendo praticamente iguais e não terá problemas na hora da punção (não tem noção do que eu to falando? Clica aqui, que você vai entender um pouco mais).

Fiquei tão feliz, porque antes de fazer a US, gente… não foi nada estressante… nada de várias agulhadas por dia, aquela pressão de aplicar exatamente no horário correto e a quantidade correta (meu marido que aplicava tudo, tadinho), sem contar que essa US foi a única que fiz antes da punção, na primeira FIV, tive que ir a Maringá dia sim dia não… muito gasto e muito estresse.

A orientação do meu médico era que após a US, deveria tomar a noite uma injeção (isso foi em uma quinta-feira), no sábado a noite tomaria mais duas e na segunda de manhã, faria a punção! Sério, muito tranquilo mesmo.

Assim fizemos, no sábado a noite tomei as duas injeções às 21:00 horas e no domingo cedinho partimos para Ribeirão. Estávamos radiantes, encaramos como uma viagem de passeio. Chegamos no domingo no final da tarde e fomos direto ao hotel que ficaríamos. A noite, saímos pra comer e conhecer um pouco a cidade!

A noite a ansiedade me atrapalhou um pouco para dormir, mas consegui. Não pude aproveitar o café da manhã, porque o procedimento deve ser feito em jejum, mas meu digníssimo marido fez questão de me contar o que havia perdido!!! Hahahahaha

Chegamos na clínica às 07:30 da manhã, a punção estava marcada para 08:00 da manhã. Gente, o que são aquelas pessoas da Semear Fertilidade!!! Super atenciosas, queridas te deixam tão a vontade, são sorridentes… nossa não sei nem o que dizer!

Fui convidada a entrar e trocar de roupa, estava esperando para ser atendida e o Dr. Vinícius chegou, com um sorrisão estampado, contando piadas e deixando tudo mais leve!

Logo chegaram os outros médicos, anestesista, a moça instrumentadora, enfermeira, todos conversando comigo, perguntando coisas, muito legal!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…