OI! SOU UM MARIDO DE TENTANTE!

Olá… sou o Hugo marido da Talita e a pedido da minha querida, mesmo resistindo um pouquinho, vou tentar contar um pouco da minha experiência e minha visão das coisas como marido de tentante.

E pra começar já faço a primeira confissão: no começo eu não queria ser pai!

Sempre gostei de crianças (apesar de não ter crescido próximo a irmãos ou primos bebês, o que pode criar uma familiaridade com eles e facilitar no traquejo do cotidiano) e claro que a possibilidade ser pai surgiu com o casamento, porém, tenho muitos amigos que desde sempre sonharam ter um filho logo no início do casamento e tal… mas eu não!

Foram 3 anos de namoro na faculdade (o que representa inexistência de dinheiro na conta bancária), mais 2 anos de namoro já formado até o casamento (o que também representa inexistência de dinheiro na conta bancária)  e depois mais 2 anos trabalhando como recém formados e casados (o que ainda representa inexistência de dinheiro na conta bancária) e então, quando passamos no concurso e as coisas começaram a se encaixar e o dinheiro começou a aparecer pra fazer tudo aquilo que sempre sonhamos desde os tempos da faculdade, um bebê??? Me desculpe amor, mas acho que ainda não é a hora!

Eu pensava em ter um filho depois de alguns anos, depois de aproveitar o casamento e de a estabilidade financeira chegar, sempre pensei que uns 5 anos de casamento seriam suficientes.

Mas depois de 2 anos de casados a Talita parou com o anticoncepcional. Bem, ela sabe que eu não gosto mesmo da ideia de ingerir medicamentos mensais, ainda mais estes hormonais, então, não me opus mas ainda achava cedo… porém, nunca imaginei que os passos futuros seriam tão longos…

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

LINDAS HISTÓRIAS

Vou dedicar este Post para as lindas histórias que tenho recebido desde o dia que decidi escrever neste Blog. Essas são apenas algumas das que já recebi, muitas delas foram em conversas e por isso as vezes não consiga reproduzi-las como queria…

Como combinado, não irei citar nomes, mas se alguém se identificar em uma delas e quiser se manifestar, fique à vontade..

“por 9 anos luto pelo sonho de ser mãe biológica. 2 gestações sem sucesso, 2 inseminações e 2 fertilizações sem sucesso Bendita endometriose silenciosa!!! Mas durante todo o processo, entramos na fila de adoção e Deus nos deu um presente lindo que não nasceu de mim, mas nasceu pra mim! Fica minha pequena história. Deus responde de alguma forma Ele sabe dos nossos anseios e conhece os nossos sonhos, mas os sonhos Dele são bem maiores que os nossos. Confie!!!”

 “Sei muito bem como é esta luta de quem espera ter a benção de um filho. Foram 5 anos fazendo exames e procedimentos com uma gravidez de quase 5 meses sem sucesso. Deus me respondeu com um ”espera” por todo este tempo. Em um momento, fiz uma escolha de deixar meu trabalho, cuidar da saúde e procurar o melhor médico da cidade, foi quando tive a maior e melhor notícia da minha vida. Hoje meu baby tem 8 meses e digo que todo esforço vale a pena e que Deus sabia que este era o melhor momento para nós. Compartilho minha experiência como forma de incentivo para lutar.”

“Oii Talita!!! Como você está? Venho acompanhando a sua história no face e gostaria de te deixar umas palavras, na verdade 3 histórias. Eu ainda não sou casada, não sei se vou passar por algo semelhante ao que você está passando, mas 3 pessoas da minha família passaram, a primeira delas é a minha mãe. A minha mãe era uma criança doente… a minha vó dava leite de vaca pra minha mãe, que tem intolerância à lactose e também à proteína do leite. Isso fez com que a minha mãe desenvolvesse várias alergias e problemas, entre eles a dificuldade de engravidar. Quando ela se casou, o médico disse que ela nunca poderia engravidar de forma natural. Devido à dificuldades financeiras, estavam planejando ir para o Japão. (…) Foi então que eles oraram e pediram uma resposta direta de Deus. Pediram que se fosse da vontade dEle que eles fossem para o Japão, que tudo desse certo, mas que se não fosse a vontade de Deus, que a minha mãe engravidasse. E a resposta veio. Em pouco tempo a minha mãe engravidou de mim, e o médico não sabia explicar como isso pôde acontecer.  Bom, a segunda história sobre minha tia. Ela não conseguia engravidar de jeito nenhum, mas um dia de forma natural ela finalmente conseguiu, mas com 2 meses perdeu, passou pela dor de perder 4 bebês, em sua última gestação teve que fazer repouso absoluto… Não foi nada fácil. Mas ela conseguiu. Agora a terceira história, penso eu que é a que você vai melhor se identificar, é a da esposa do meu tio. Eles são casados há 13 anos. Lutaram demais pelo sonho de ter filhos. Foram 5 anos. Tentaram adoção, estão no Japão há 20 anos, com incentivo do governo há um subsídio de até 5 FIV para os casais. A minha tia sofre de um problema que o organismo dela não reconhece o bebê, então ela produz um hormônio que induz ao aborto, e o meu tio, marido dela, é quase estéril, com uma quantidade de espermatozoides vivos e saudáveis quase irrelevante. Minha tia fez 4 FIV. Toda aquela ansiedade que eles tinham passou. 2 anos após o nascimento do meu primo, em exames de rotina da família, veio a notícia, a minha tia estava grávida de novo, e dessa vez de forma natural. Ela finalmente soube o que é uma gestação prazerosa e tranquila, e há 2 meses o meu primo Davi nasceu”.

“Tali Amiga. Confesso que até hoje eu tinha me emocionado. Hoje, eu chorei lendo o que você escreveu aqui. Passei por um vale nessa questão de gravidez. Às vezes ainda me pego pensando que hoje ele poderia estar com 5 meses. Ele faria 6 meses no natal! As coisas seriam diferentes, estariam diferentes! Mas Ele sabe da hora e do lugar. Ler o que você escreveu hoje foi algo que me confortou muito. Já parei para me perguntar várias vezes!!!! Porque eu? Porque assim? Por que desse jeito? Porque comigo? Mas realmente a graça de Deus nos basta?!?!?! Obrigada por escrever isso ta. Passei por algo “semelhante” mas não tenho endometriose, recebi um diagnóstico errado de útero Bicorno, mas depois descobri que não. Decidi engravidar ano passado em julho, engravidei em setembro e perdi no fim de dezembro!!! Acho que esse ano eu ainda estou vivendo a sequela. Ano que vem vamos tentar de novo”.

“Não tive dificuldades pra engravidar…mas não sei se você sabe outros lados da minha história. Resumidamente, no começo tive que ficar 6 semanas em repouso e no Utrogestan por conta de um descolamento de placenta. Logo no começo já encarei a possibilidade de perder meu filho. Mas graças a Deus depois da 12a semana foi tudo normal. Queria parto normal, mas só se tudo contribuísse, não insistiria nem teimaria com os médicos. O problema é que eles insistiram. Fiquei 22 horas em trabalho de parto, uma hora em fase expulsiva…meu bebê nasceu todo roxo e mole. Nem foi para o quarto. Do berçário foi direto pra UTI. No dia seguinte, um sábado, ele teve 6 convulsões, duas delas eu estava com minhas mãos sobre ele na incubadora. Foi terrível. Ele ficou 16 dias na UTI. Até agora tem sido um bebê normal, mas temos que fazer acompanhamento neurológico até os dois anos. Enfim, sempre fui uma pessoa super ansiosa e nervosa. Com a gravidez fiquei menos…mas eu e meu esposo falamos que começamos no nível hard rs”.

Essas foram só algumas das que recebi… espero que tenham gostado, porque eu gostei muito de recebe-las.

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

DEU RUIM, E AGORA?

Pra variar um pouco toda a minha história, eu fiz essa FIV no mês de março com a plena e cristalina certeza que todos os meus problemas de infertilidade seriam resolvidos, eu engravidaria de gêmeos, um casal… eles até nome já tinham (e ainda tem, porque não desisto nunca!)… há muito tempo, diga-se de passagem!

O quarto deles já estava todo montado na minha cabeça, enquanto bebês ficariam juntos e depois de grandinhos, a menina ficaria no quarto maior (porque precisamos, não é?!) e o menor para o menino.

Cada detalhe, a decoração, chá de bebê? Chá de revelação? Ainda tinha dúvidas do que faria, mas para ambos, já tinha tudo planejado.

E como contar para a família?? Para aqueles que tanto oraram por nós? Como faria? Será que eu iria filmar o momento de contar a novidade… uma caixinha talvez, com um bilhetinho lindo dizendo que você será titio, titia, vovó, vovô…

Mas não, não foi assim que tudo aconteceu, definitivamente nada do que eu havia sonhado e planejado se realizou.

Por que? Porque não era a hora, o momento e a situação para que tudo acontecesse. Isso me consumiu por uns dias, a sensação de impotência perante toda aquela situação me fez pensar que nada mais daria certo.

Entretanto, eu não poderia me afundar em sentimentos ruins, me afundar na autopiedade que destrói qualquer resquício de sanidade mental e saudável ao ser humano…

Me apeguei a Deus, sim a Deus… só Ele me entende…

Dizer que consigo entender e que estou plena e em paz com tudo isso, não consigo, estaria mentindo… não consigo entender, não estou 100% em paz, choro ainda, tenho insegurança, medo…

Mas com o passar dos anos, aprendi que tenho uma força que nem eu mesma consigo enxergar em muitas situações. Aprendi que eu vou sofrer sim, mas que tenho que levantar a cada queda, sacudir a poeira, pentear o cabelo, passar um batom e seguir em frente!

Gosto muito de música, quem me conhece sabe disso e algumas delas me ajudam de uma forma tão maravilhosa nessa caminhada que eu tenho que compartilhar com você que está lendo esse Post.

Clique aqui e ouça, aqui , aqui e aqui também.

Cada um tem as suas lutas, a minha é a de tentar ser mãe… uns sofrem mais, outros sofrem menos, mas todos sofremos… O que temos que aprender (e é o que faço a cada dia) é saber lidar com as situações desagradáveis da vida.

Tem algo que você queira muito alcançar? Lute, busque, faça sua parte e nunca se esqueça que Deus é Deus em qualquer situação e está pronto sempre a te amparar, basta confiar nEle!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…

PLANOS, SONHOS E….

Dezembro acabou, janeiro começou e a orientação médica era a de esperar até fevereiro para dar início ao procedimento da FIV, tinha que esperar minha menstruação vir… fui ao médico no início do mês de fevereiro, certa que já daria início aos medicamentos necessários para o processo de fertilização, mais uma vez eu me enchendo de expectativas que eu, não sei por que, coloco na  minha cabeça!!!!

Chegando lá, fui fazer a US e o médico me diz que tentaria mais um mês natural, pois eu estava com um “lindo e grande” folículo de 19 mm.

Fiquei triste!!!! Hahahaha sim, fiquei triste e em prantos, porque eu já tinha inculcado na minha cachola que faria a FIV, saí de lá com um “lindo e grande” folículo, uma injeção pra aplicar na minha bunda e uma hora marcada para namorar com meu marido!

Fizemos tudo certinho, tomei a injeção na hora determinada e “fizemos um filho”, também na hora determinada, péssimo isso, já falei sobre esse assunto aqui.

Aí vem o momento da espera… como pode ter uma coisa tão ruim e chata quanto esperar minha gente? Esperar o que? (Sentiu o Merchan né?) hahahahahahaha

Os dias não passam, a horas muito menos…. Nada na TV é interessante (não que em uma situação normal seja… mas tenho NETFLIX… tá resolvido), nem Gray’s Anatomy, minha série favorita ever, me fazia esquecer que estava esperando pra fazer um teste de gravidez!!!! Ainda vou fazer um Post específico a respeito da espera, ou seja, a BETAESPERA!

Os dias passaram, chegou a época de vir minha menstruação, e… a desgramada veio!

Mais uma vez, frustração… cerca de dez dias depois que fui ao médico a monstra veio…

Fiquei triste, mas na minha cabeça… finalmente daria início à FIV, mal sabia o que me esperava!

Quer saber mais? Se identifica com algum ponto desse post? Comenta aqui em baixo…

A história continua…